Maio, mês de honrar a Maria

Iniciando Maio, mês consagrado à Virgem Maria, perguntamo-nos: como honrar a nossa Mãe? É claro que devemos honrá-la todos os dias, mas recorda-nos o Beato Paulo VI: particularmente, neste mês, “sobe dos corações dos cristãos até Maria a homenagem mais ardente e afetuosa da prece e da veneração”.

Honrando a Virgem Maria, queremos unir-nos mais a Jesus. Sabemos que Maria é caminho seguro que nos leva a Cristo. E, neste mês, ela seguramente dirá a cada um de nós: “fazei tudo que Ele vos disser” (Jo 2,5).

Com Maria, queremos ouvir Jesus e cumprir aquilo que Ele nos pede. É tempo de cultivar a oração, o diálogo com nosso Redentor e, como Maria, com o coração generoso, pronunciar o nosso Fiat – Faça-se!

Maria nos ensina que o mais importante, neste mês, é a atenção à vontade de Deus. Só honramos a Rainha do Céu, abrindo-nos àquilo que Deus quer. Não basta cumprir tradições, pois o caminho que se abre para nós é o da oração, do discernimento da vontade de Deus, do cumprimento generoso daquilo que Ele nos pede.

Tudo o que nos propomos – peregrinações, coroações, celebrações e demais exercícios piedosos de devoção a Maria – deve mover fortemente o nosso coração, impelindo-nos a praticar o bem, pois esta é a vontade de Deus para nós, seus filhos.

Com Maria, aprendemos a testemunhar nossa abertura à graça; na obediência a Deus, abrindo mão da nossa vontade rebelde, dos nossos projetos mesquinhos, aderimos à obra salvadora de Deus. A Redenção se cumpre na vida e no coração de cada um de nós e, também por meio de nós, alcança o coração de homens e mulheres que, tocados pelo desespero, fecharam-se na dor e tornaram-se frios e sem vida. Por seu exemplo, a Rainha do Céu nos ensina a cuidar dos nossos, acudindo aqueles que o Senhor nos confia.

Também em meios às dificuldades, Maria nos ensina a renovar a nossa confiança em Deus; Ela pode ajudar-nos a entregar as nossas dores, os nossos desalentos, ao seu Filho Jesus. E, para além das nossas dúvidas, caminharemos com a certeza de que Ele cumpre a Sua promessa: “eis que estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,20). Podemos acreditar de novo, Ele está conosco e a Sua presença nos basta!

Contemplando, pois, a Virgem Maria, nossa Mãe, aprendemos que a prática do bem supõe abandono e confiança, o que nos recorda, é claro, a “pequena via” de Santa Teresinha. Nossa Padroeira, a exemplo de Maria, abre-nos o caminho do abandono à Misericórdia Divina; sabemos de nossas fraquezas, mas também sabemos do amor de Deus que supera nossas fraquezas e, então, avançamos sem medo.

Neste mês de Maio, honremos nossa Mãe do Céu, unindo-nos a Cristo, aderindo ao Seu projeto salvador, vivendo o abandono e a confiança!

 

Dispostos a viver intensamente o Mês de Maria, rezemos:

Ó Santa Mãe de DEUS, ó Virgem Dulcíssima, eu Vos ofereço o meu coração afim de que o conserveis sempre unido ao Sagrado Coração do Vosso Filho.

Eu Vos ofereço a minha inteligência, para que ela conceba pensamentos de paz, bondade e verdade.

Eu Vos ofereço a minha vontade, para que ela se mantenha viva e generosa ao serviço de Deus.

Eu vos ofereço meu trabalho, minhas dores, meus sofrimentos, minhas angustias, minhas tribulações e minhas lágrimas, para serem apresentadas por Vós ao Vosso Divino Filho.

Mãe Compassiva, eu me refugio em Vosso Coração Imaculado, para acalmar minhas tentações, minha aridez, minha indiferença e minhas negligencias.

Escutai-me, guiai-me, sustentai-me e livrai-me sempre de todos os perigos, ó Virgem Gloriosa e Bendita! Amém!

Frei Emerson Oliveira, OCD

Deixe uma resposta

Informativo – Jul/2017


Cadastre-se para receber nossas notícias: