História da Basílica: como tudo começou

Se recordar é viver, não poderíamos passar os 90 anos da elevação de nossa querida basílica, em 20 de julho de 1927, sem relembrar tão bela história que ficou registrada na revista católica “Mensageiro de Santa Teresinha do Menino Jesus” dirigida pelo carmelita Frei Serafim de Santa Teresa desde 1923, que também encabeçou a construção do Santuário de Santa Teresinha e sua elevação a Basílica.

Em 1921, foi lançada pelo então arcebispo D. Sebastião Leme a pedra fundamental para a construção do primeiro santuário a ser erigido no Brasil em honra de nossa amada Santa Teresinha que foi beatificada pelo Papa Pio XI em 2 de maio de 1923 e canonizada em 17 de maio de 1925. Muitos foram os benfeitores que ajudaram na construção do santuário (cito a senhora Maria Bellini como grande benemérita), mas com a criação da Associação de Santa Teresinha de Jesus em junho de 1924, seus sócios cooperadores efetivos doavam mensalmente a quantia de 500$000, somando-se ainda as pessoas que alcançaram graças pela intercessão de Santa Teresinha e que escreviam para Frei Serafim doando polpudas quantias. Havia rifas por todo país, bazares com trabalhos manuais diversos, festivais com música, torneios infantis, esportes variados e barraquinhas para conseguir fundos para construção, entre tantas outras ações realizadas visando o objetivo maior que hoje comemoramos seus 90 anos.

Nosso santuário foi elevado à Basílica em 20 de julho de 1927, logo após à sua construção. É sabido que passar para esta categoria não é simples e demanda de um processo eclesiástico moroso, mas nossa Basílica alcançou-o com rapidez. À vista de impressionantes depoimentos de graças obtidas por intermédio de Santa Teresinha publicadas na revista “Mensageiro de S. Teresinha do Menino Jesus” na seção Chuva de Rosas, somado a história do movimento religioso do santuário incluindo fiéis não só do Rio de Janeiro – muitos eram vindos do interior do país –, o templo tomou proporções e caráter de um verdadeiro santuário nacional. O então Provincial Superior dos Carmelitas Descalços, Frei Serafim de Santa de Santa Teresa, encaminha uma petição assinada acrescida das justificativas abaixo elencadas, necessárias para elevação de condição do templo com privilégios e título de Basílica (retirada e adaptada do “Mensageiro de S. Teresinha do Menino Jesus” de 1 de agosto de 1927):

  1. O Santuário está situado em uma das principais ruas da cidade.
  2. É construído em puro estilo romano.
  3. Mede 45 metros de comprimento, por 16 de largura.
  4. É um templo suntuoso, conforme fotografias anexas.
  5. Possui, entre outras, as seguintes relíquias: A) Um dente de Santa Teresinha do Menino Jesus; B) O corpo de S. Justino Mártir; C) Fragmento de osso de S. João da Cruz e da Santa Madre Teresa; D) Santo Lenho.
  6. Possui rico e abundante paramento, riquíssimas alfaias, vasos sagrados de valor, entre os quais avulta um cálice em grande tamanho, todo em ouro de grosso quilate, caprichosamente lavrado.
  7. O Santuário é assistido por uma comunidade de sete religiosos, e por numerosos padres seculares.
  8. Satisfaz plenamente às obrigações do coro.
  9. Os atos religiosos se fazem com grande decoro, grande pompa, conforme o ritual romano, neles tomando parte com frequência os Revdmos. Srs. Arcebispo e Nuncio Apostólico.
  10. A música que se executa é rigorosamente litúrgica.
  11. As imagens sacras são devotas e artísticas.
  12. O movimento religioso é intenso. As comunhões, no ano passado (1926), atingiram a 86.000 (oitenta e seis mil).
  13. Acham-se eretas nesse santuário as seguintes corporações religiosas: A) Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo e Santa Teresa; B) Arquiconfraria do Menino Jesus de Praga; C) Apostolado de oração; D) Pia União de Santa Teresa do Menino Jesus; E) Filhas de Maria; F) Círculo do Menino Jesus de Praga; G) Arquiconfraria de Nossa Senhora do Carmo; H) Associação de Santa Teresa, com dispensário, médico e farmácia, em assistência aos pobres; I) Conferência de São Vicente de Paulo.

      O BREVE PONTIFÍCIO. – Sub anulo piscatoris, em qual concede S.S. ao santuário de Teresinha, o título e os privilégios de Basílica, é datado da Secretaria de Estado de Sua Santidade, aos 20 de julho de 1927, 6º do pontificado do reinante Pontífice.

Em outras palavras, fomos a primeira Basílica no mundo erguida em homenagem a Santa Teresinha. Ela é o retrato revelador das maravilhas da vida de nossa amada santinha que desde a infância era misteriosamente chamada por seus pais de rainha – La petit Reine. Sob sua intercessão, a Basílica caminha em sua história de 90 anos – história gravada nas páginas do Mensageiro e no coração dos fiéis.

Maria Antonieta

Deixe uma resposta

Informativo – Jul/2017


Cadastre-se para receber nossas notícias: