Devoção ao Menino Jesus de Praga

Devoção à Divina Infância

Desde cedo, os cristãos nutrem um profundo e reverente afeto pelo Menino Jesus, embora os santos evangelistas tenham registrado poucas informações sobre o período da infância do Salvador. O paradoxo de um Deus todo-poderoso vivendo na simplicidade do cotidiano humano fascinou vários santos da Igreja, como Santo Atanásio (296-373) e São Jerônimo (±340-420), dois gigantes do período patrístico, durante o qual a Igreja desenvolveu e consolidou os principais pontos da autêntica doutrina cristã. O belo e edificante costume de montar o presépio no tempo do Natal nasceu com São Francisco de Assis (1181 ou 1182-1226). Até hoje essa é, ao mesmo tempo, a mais humilde e a mais poderosa expressão da infância do Redentor. Santo Antônio de Pádua (1195-1231), por sua vez, teve o privilégio imenso de receber o Menino Jesus nos braços – e é dessa maneira que o santo costuma ser retratado na iconografia sagrada.

Os fundadores do Carmelo Descalço também tinham uma particular devoção pelo Menino Jesus. São João da Cruz (1542-1591) se enchia de ardor diante do mistério do Deus encarnado, e carregava a imagem do Divino Menino em procissão, dançando com ela ao colo, durante o período do Natal. Em 1563, no convento da Encarnação, Santa Teresa de Ávila (1515-1582) teve uma linda visão de Jesus adolescente: assim que O viu, ela lhe perguntou seu nome, ao que Ele retrucou: “E tu, como te chamas?”. Depois de ela dizer-lhe que se chamava Teresa de Jesus, o doce menino respondeu-lhe: “Pois eu sou Jesus de Teresa”. A santa sempre levava consigo uma imagem do Menino Jesus ao fundar novos mosteiros; e na Espanha do seu tempo esse culto obteve uma grande resposta do povo.

O Menino Jesus de Praga: origens e crescimento da devoção

A estátua do Menino Jesus que hoje se venera no santuário de Nossa Senhora das Vitórias, em Praga, provavelmente é uma réplica do século XVI de uma estátua original confeccionada em um mosteiro do sul da Espanha. A imagem foi adquirida por Isabela Manrique de Lara y Mendoza, uma nobre espanhola que a enviou a Praga como presente de casamento a sua filha Maria Manrique de Lara. Esta, por sua vez, legou a imagem a sua filha, a princesa Polyxena de Lobkowitz. Quando Polyxena ficou viúva, doou a estátua ao mosteiro dos Carmelitas Descalços, que se encontrava em dificuldades extremas, aos cuidados do padre Cirilo da Mãe de Deus. A imagem foi acolhida no oratório do mosteiro, próximo à igreja de Nossa Senhora das Vitórias, em 1628.

Em 1631, durante a Guerra dos Trinta Anos, o mosteiro foi saqueado por soldados protestantes, súditos de Gustavo Adolfo da Suécia, que deceparam as mãos à estátua e a jogaram sobre os escombros do oratório, atrás do altar. Os frades carmelitas haviam fugido para Munique ante o assédio dos suecos.

Estátua do Menino Jesus do Santuário de Nossa Senhora das Vitórias, em Praga

Durante anos a imagem do Menino Jesus jazeu esquecida sob as ruínas do oratório. Em 1637, após retornar a Praga, o padre Cirilo empreendeu uma busca diligente da estátua até que a encontrou. Nesse momento, ele como que ouviu o Menino Jesus dizer-lhe: “Tende piedade de mim, e eu terei piedade de vós. Restituí-me as mãos que me cortaram os hereges. Quanto mais me honrardes, mais vos favorecerei.”

Após obter do prior autorização e recursos para restaurar a estátua, o padre Cirilo pôs mãos à obra, e o dinheiro despendido nos reparos frutificou sobejamente em graças e prosperidade para o mosteiro e toda a população de Praga. Atribuem-se diversas curas milagrosas às bênçãos do Menino, assim como a proteção da cidade, quando foi sitiada novamente pelos suecos em 1639. Em 1651, a estátua foi transportada em peregrinação por todas as igrejas de Praga, e em 1655 foi solenemente coroada pelo seu bispo.

Coube à venerável Margarida do Santíssimo Sacramento (1619-1648), carmelita do convento de Beaune, na França, animar e difundir a devoção à divina infância de Jesus. Margarida, que morreu aos 29 anos, ingressou no Carmelo, como pensionista, aos 11 anos de idade. Ela teve uma visão na qual o Divino Infante lhe dizia que, cada vez que quisesse obter uma graça, deveria pedi-la invocando os méritos de Sua Santa Infância e que dessa forma nada lhe seria recusado. E acrescentou o Menino: “Tudo quanto me pedirem pela minha santa infância será concedido!” Dois dos principais frutos do seu zelo e fervor são a prática de devotar o dia 25 de cada mês em honra do Menino Jesus (por causa do Natal) e a recitação da Coroinha do Menino Jesus de Praga, composta de três Pai-nossos para honrar a Sagrada Família e 12 Ave-Marias, em honra dos 12 primeiros anos de vida de Jesus. (Conheça aqui algumas orações ao Menino Jesus de Praga.)

Santa Teresinha e o Menino Jesus

Estreitamente ligada à história da Ordem do Carmo, como se vê, a devoção ao Menino Jesus de Praga intensificou-se sobretudo graças à nossa querida padroeira, que levou a extremos de amor a identificação com a infância de Cristo. Era tão intensa e tão íntima sua relação com o Menino-Deus, que ela fez de seu nome religioso um testemunho permanente de inocência, simplicidade, humildade e confiança filial, caminho seguro para chegar ao Pai, acessível a todos, pois que se baseia na infância espiritual, ou, como ela chamava, a “pequena via” para Deus. Com o único intuito de agradar o seu amado Menino, ela se oferecia para ser um brinquedo em Suas mãos: “Dissera-lhe que se utilizasse de mim (…) como uma bolinha sem nenhum valor, que poderia jogar ao chão, bater com o pé, furar, largar num canto, ou também apertar ao coração, quando fosse de seu agrado.”

Reconhecimento eclesiástico

Os relatos de milagres e graças obtidas pela invocação a Jesus Menino, assim como a singeleza e doçura dessa piedade particular, fizeram espalhar pelo mundo a devoção ao Menino Jesus de Praga. Todos os anos, os fiéis encaminham-se aos milhares ao santuário de Praga para prestar homenagem a Jesus e apresentar-lhe pedidos e agradecimentos. Em vários locais fundaram-se templos e confrarias sob a bênção do Divino Infante.

A expressão máxima do reconhecimento, por parte da Igreja, a esta devoção foi a coroação da imagem do Menino Jesus de Praga do santuário de Nossa Senhora das Vitórias pelo Papa Bento XVI, em 26 de setembro de 2009.

O Menino Jesus em nossa basílica

A nossa basílica tem uma capela, à esquerda do altar-mor, dedicada ao Menino Jesus de Praga. Em Sua honra são oferecidas missas no dia 25 de cada mês.

Imagem do Menino Jesus na
capelinha de nossa basílica